Rádio Itatiaia

Mãe do volante Rabiot critica PSG e Neymar: 'Tem jogador que pode ir ao carnaval'


O ambiente no vestiário do Paris Saint-Germain voltou a esquentar nesta quarta-feira. Mãe e agente do volante Adrien Rabiot, Verónique Rabiot atacou a diretoria do clube francês e alfinetou o brasileiro Neymar. Para a mãe de Rabiot, o clube não trata seus jogadores com igualdade e o atacante ganhou privilégios ao ter liberada sua viagem ao Rio de Janeiro para o carnaval. 

"Há jogadores que faltam por um cochilo de seis minutos, e outros que estão machucados, mas podem ir para a festa do outro lado do mundo, no carnaval do Rio", declarou Verónique, em entrevista ao jornal francês L'Equipe.

Neymar esteve no Brasil durante dez dias, entre o fim de fevereiro e o início de março. Em tese, foi liberado pelo clube para seguir com o tratamento da fratura sofrida no quinto metatarso do pé direito. Em solo brasileiro durante o carnaval, o atacante participou de festas e eventos no Rio de Janeiro e também em Salvador. 

O "cochilo" a que se refere a mãe de Rabiot teria acontecido com o volante em outubro do ano passado. O jogador chegou atrasado e disse que dormiu demais ao tentar justificar o ato de indisciplina. Assim como Mbappé, que também chegou tarde ao treino, ele foi multado e levado ao banco de reservas pelo técnico Thomas Tuchel. 

O atraso acabou se tornando um divisor de águas para Rabiot dentro do time. Desde então, ele tem perdido espaço na equipe. Não entra em campo desde o início de dezembro. A diretoria até já teria avisado ao jogador que não pretendia renovar o seu contrato, que se encerra no fim de junho.

A situação do jogador piorou junto ao clube quando foi flagrado em uma casa noturna no mesmo dia em que o PSG foi eliminado nas oitavas de final da Liga dos Campeões, que era o maior objetivo do time na temporada. Ele está suspenso pelo clube desde então. 

Faltando uma semana para o fim da medida, que acaba no dia 27, Verónique também afirma que o jogador francês de 23 anos está sofrendo com a situação. "Acho que o que querem agora é levar a uma ruptura de contrato. Mas Adrien não cometeu erro nenhum", afirma. "Ele é criticado por sair (para boate) quando não querem mais usá-lo! É contraditório. Não é possível aprisioná-lo. Ele tem que soltar toda sua energia, que não usa mais. E libera dessa maneira (indo à festas)", explica. 

"Adrien é um prisioneiro atualmente. É um refém do PSG. Daqui a pouco vão deixá-lo com pão, água e numa cela", declarou a mãe do jogador.

Outras Notícias

Agenda Central

Unidos do Samba Queixinho homenageará Mercado Central no Carnaval 2020

Em BH

Inquérito conclui que jovem que se envolveu em briga no Carnaval de BH morreu por uso de 'loló'

Em crise desde 2014

Após boa taxa de ocupação no Carnaval, hotéis de BH voltam ao período de 'vacas magras'